Como criar grandes mixagens usando plugins de efeitos

No artigo anterior eu descrevi especificamente o uso dos plugins Waves para ajudar a obter um bom resultado nos inputs individuais.

Compressão, compressão paralela e equalização são ferramentas vitais para alcançar o objetivo final de uma mix sólida, mas e os efeitos?

Por isso você deve saber como criar grandes mixagens usando Plugins de Efeitos para ter sempre essa ferramenta em mãos.

Introdução aos efeitos

O vocal é a verdadeira chave para o sucesso na criação de mixagens que se elevam acima das outras. Parte disso é criar o espaço. Nós gastamos um bom tempo posicionando microfones próximos aos seus respectivos instrumentos no palco. Isso nos permite controlar o ganho dos inputs individuais, mas também tira o espaço.

Mesmo se formos cuidadosos em definir uma estrutura de ganho corretamente e posicionar todo instrumento em seu próprio espaço de espectro estéreo, ainda sim faltará algo.

Se você ficar de frente de um instrumento, você vai ouvir a fonte, mas também ouvirá as reflexões e reverberações naturais que ajudam a moldar o som.

Em estúdios de grande orçamento, eles gastam horas para achar aquele som de bateria “na medida” incorporando microfones próximos e também microfones distantes para capturar as nuances da “sala”.

É importante notar que em uma situação ao vivo o controle é importante e frequentemente é impossível obter o balanço ideal na técnica de microfones distantes. Por isso, recorremos a meios artificiais para obter a noção correta de espaço.

Tenha o som de qualquer sala nas mãos

Eu recorro muito ao plugin de convolução IR-Live. Reverbs de convolução são simulações digitais de um espaço virtual ou físico.

IR-Live – foto: Waves

Eles usam uma amostra de áudio pré-gravado de uma resposta de impulso que é gravado ao DSP do sistema.

Então o sinal de áudio de entrada é envolvido com a gravação da resposta de impulso, e o processo de convolução multiplica cada amostra do áudio para ser processado.

Em outras palavras, você basicamente tem qualquer espaço, real ou imaginário ao alcance de suas mãos.

Há muitos bons presets no menu load do IR-Live. Tradicionalmente, reverbs de convolução usam muito DSP e tem uma latência muito grande. Esse não é o caso do IR-Live, que tem uma latência muito baixa e também reverbs muito bons.

Eu também uso o Renaissance Reverb e o TrueVerb de forma regular. O Renaissance Reverb é excelente em minhas trilhas de bateria. Ele tem um avançado sistema de reflexão inicial (early reflections) e bons controles de amortecimento (damping controls).

Eu uso tempos menores de reverb e mais pre-delay, ou early reflections. Em particular, isso ajuda em obter aquele som explosivo de bateria sem obscurecer a definição do músico nos ataques aos tambores.

A importância dos efeitos

Como notado anteriormente, criar espaço é importante. Para provar isso, levante uma mix e tenha um bom balanço sem usar nenhum processamento de efeito.

Então, comece a adicionar os efeitos e você vai entender imediatamente a necessidade dos efeitos e porque eles são importantes.

Mas quanto é muito? Eu costumo usar efeitos com moderação. Maior parte do tempo nós nos deparamos em espaços gigantes que já tem muita reflexão e tempo de reverb que é adicionado em toda nossa mix.

Então, há uma linha tênue entre adicionar muito espaço, perder definição e ter espaço suficiente para engrandecer sua mix.

Muito disso vem com a experiência. Eu costumo usar reverb mais curto e mais pre-delay para criar a sensação de espaço. Apesar da tecnologia das caixas de som se tornarem melhores e a entrega da sua mix em cada lugar do show se tornarem mais inteligíveis, o uso de efeitos que soam melhor é primordial para o sucesso como mixador.

Quebre as regras!

No artigo anterior falei sobre presets. Mas não se prenda a rótulos.

Se um preset diz Kick Drum, a primeira coisa que faço é colocá-lo na caixa. Frequentemente um preset que se destina a um instrumento soa incrivelmente bem em outro e com apenas alguns ajustes você vai encontrar um som que ninguém mais tem.

Isso me deixa feliz, quando outro engenheiro pergunta, “De onde você tirou aquele reverb da caixa?” porque eu o achei brincando com uns presets que não eram destinados para caixa. Quebre as regras – isso que é legal nos plugins. Se algo não funciona, mude.

Antes do desenvolvimento desses softwares, nós tínhamos que insertar outras máquinas de efeitos se nós não gostássemos, tomando um tempo precioso fazendo o patch. Agora, ir de uma máquina para outra, ou fazer uma mudança de patch é tão rápido quanto um click de um mouse.

Não se acomode. Continue procurando até você encontrar algo que vai funcionar para você. 

O H-Delay, por exemplo, é outra ferramenta integral no meu modo de trabalhar. Todo artista dos dias atuais tem algum tipo de delay curto em um vocal ou em uma guitarra que é importante para recriar o som original da gravação. Eu utilizo snapshots e as funções de tap delay da console para alcançar os tempos de delays corretos.

H-Delay – foto: Waves

O H-Delay faz incríveis efeitos no estilo PCM-42 como os ecos snapbackping pong, flanging, phasing, e especificamente eu uso isso para efeitos de delay tipo telefone.

Usando efeitos do estúdio no ao vivo

Eu recentemente recebi uma cópia antecipada de uma gravação nova de um artista que eu trabalho com frequência. O vocal tem um efeito que é super específico, e é isso que faz toda a diferença na gravação.

Ao analisá-lo, eu pensei, “Caramba, isso tem cerca de quatro diferentes tipos de efeitos e vai ser super difícil de reproduzi-lo ao vivo. Eu vou ter que colocar delay, reverb, chorus, e doubler nesse vocal para tentar combinar com a gravação.”

Depois de passar um bom tempo trabalhando nisso, eu engoli meu ego e liguei para o engenheiro que fez a gravação e perguntei pra ele qual a sequencia de efeitos que ele usou para obter aquele resultado tão incomum.

Ele respondeu, “Ah tá – é simples. É só o Waves MetaFlanger”. Para o qual eu só pude responder: “Só isso?”. Ele me enviou um email com o preset da gravação master e pronto.

MetaFlanger – foto: Waves

A questão é que eu gastei uma tonelada de energia tentando recriar algo que era tão simples de ter, e isso traz duas coisas:

1) O MetaFlanger é legal e faz um monte de efeitos interessantes.

2) Como um engenheiro de som ao vivo nós devemos desenvolver relações com os engenheiros que estão fazendo as gravações, porque eles estão usando os mesmos plugins legais que nós.

Há muitos plugins de efeitos disponíveis para alcançar o que você precisar. Explore e conheça essas ferramentas

Eu acredito sinceramente em compartilhar nosso conhecimento, e eu estou ansioso para ver vocês por aí usando alguma das minhas sugestões que demonstrei nesses dois artigos, bem como você me ensinando sobre o novo modo que vocês estão usando essas ferramentas.


Ken Van Dutren “Pooch” é engenheiro F.O.H. (Front of House, “P.A.”) com mais de 27 anos de experiência. Dentre as principais bandas que mixou ao vivo, estão Iron Maiden, Linkin Park, Justin Bieber, Jay-Z, Guns N’ Roses e KISS.

Descubra tudo em primeira mão!

Assine nossa newsletter e seja o primeiro a receber todas as novidades da Audio Seminars, além de conteúdos exclusivos no seu email.

Nós somos totalmente contra spam. Powered by ConvertKit

2 comentários em “Como criar grandes mixagens usando plugins de efeitos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *